segunda-feira, 6 de julho de 2009

BRASA EM FESTA ! ! !

.
Salve Galera!!! Irmãos e Irmãs unidos num só sonho!!!!

Palavras não conseguirão exprimir tudo o que realmente foi a noite de 04/07/2009, aniversário do Sarau Poesia na Brasa, mas vamos tentar!

Todos os participantes do Coletivo estavam tensos, ansiosos e nervosos, pois queríamos que tudo saísse perfeito!

Chegamos no Bar do Carlita por volta das 17h30min, para arrumar os últimos detalhes. A festa estava prevista para iniciar as 18h00min. Mas como tudo na periferia é carregado de emoção e de imprevistos, o início da festa atrasou um pouquinho!

A casa estava cheia, mais de duzentas pessoas que compartilhavam com a gente a felicidade dessa data tão especial. Rostos conhecidos, desconhecidos, rostos que estiveram conosco lado a lado nesse 1º ano de caminhada, apoiando e compartilhando alegrias e dificuldades.

A biblioteca "Carlos de Assumpção" rolava solta, junto com as conversas animadas e a alegria dos presentes. A energia positiva estava espalhada por todos os cantos do bar. O calor humano e o caldo de feijão vendido no Bar do Carlita aqueciam a noite fria que fazia lá fora.

O lançamento de nossa primeira Antologia arrancava exclamações de todos. No rosto de cada um e cada uma emanava a felicidade de ver seus textos publicados. Era a manifestação da arte da periferia para a periferia. Nossa arte!!!!

A primeira atração da noite foi a Velha Guarda da Rosas de Ouro, escola tão querida e ilustre de nossa comunidade. A porta-voz Maria Helena fez um discurso muito bonito, trazendo um pouco da história de nosso bairro e demonstrando a força de nosso povo, que mesmo diante das dificuldades (que para nós da periferia sempre existiram) resiste e luta a cada dia, cantando, dançando e sorrindo. A apresentação foi carregada de emoção. Os corações batiam no compasso dos pandeiros e a alma vibrava de felicidade nesse encontro de várias gerações unidas em um só sentimento.

Depois foi a vez do grupo Quilombaque, irmãos de Perus que nos honraram com sua presença e com sua música. O som do Maracatu que nasceu da tradição do Rei do Congo e veio para o Brasil por volta de 1700, contagiou a todos os presentes e não teve quem conseguiu ficar parado. A energia boa dos batuques circulava no meio de todos nós fazendo com que cada um se sentisse o próprio rei e rainha homenageados com o cortejo desse som vibrante! O chão tremia!!!! Sem palavras para descrever! Quem estava presente, com certeza concordará!!!

Mas a festa não estava nem na metade! Depois de todas essas emoções ainda tivemos a presença do grupo Quilombrasa, com seu som poético, verdadeiro, cantado com o coração e o grupo Radiographia com letras que traduzem o sentimento e a realidade dos irmãos da periferia. A união dos dois grupos para a apresentação de várias canções foi muito emocionante e encantou a todo mundo.

A fotógrafa Sonia Bischain registrava todos os momentos, nos presenteando com toda a sua experiência e sensibilidade para captar imagens e sonhos.

Como não podia deixar de ser, iniciamos o nosso tradicional sarau, chamando todos os poetas ao som do tambor da Brasa, poetas do bairro, da cidade, e porque não do mundo todo! Nosso manifesto foi lido e olhando para o rosto de cada presente, vimos que o objetivo de levar a informação, a leitura e cultura que tanto nos é negada está sendo atingido com sucesso! Foi lida também uma retrospectiva da história do Sarau da Brasa, que começou com sete, aumentou para dez e hoje é formado por cada um e cada uma que nos honra com sua presença, emocionando a todos.

Houveram homenagens aos irmãos que nos inspiraram, apoiaram, caminharam e caminham lado a lado conosco, parceiros na luta, no amor pela arte e pela cultura e que muito contribuíram para que o Sarau da Brasa chegasse até aqui. Irmãos que vencem muitas vezes barreiras geográficas, a falta de meios de transporte decentes para estarem conosco, como os irmãos da Cooperifa, do Elo da Corrente, que inclusive nos prestigiaram com a presença da princesinha Yakini, filha da Raquel e do Michel, Literatura Suburbana, Projeto CICAS, Projeto Espremedor, o pessoal do Quilombrasa, Quilombaque, Radiographia, a Velha Guarda da Rosas de Ouro e como não podia deixar de ser, homenageamos também o Carlita, dono do bar, que nos acolheu com tanto carinho quando ficamos sem casa para fazer o sarau.

Como o tempo já estava estourado, fizemos um sarau simbólico apenas com alguns poetas que inundaram o ambiente com suas palavras inspiradas, representando assim cada um e cada uma que fez e faz parte da nossa história.

Cantamos parabéns ao som dos batuques, atabaques, tambores, chocalhos, xequerês, palmas e as batidas do coração de todos nós. Para adoçar a noite, foi servido um bolo literalmente com a “cara do Sarau”.

Para encerrar a festa, soltamos balões que elevaram-se ao céu da cidade levando poesias, poemas, frases, palavras e principalmente os sonhos de cada um que estava presente nessa noite de festa. Foi emocionante ver as gotinhas brancas tingindo o céu escuro da noite, uma chuva ao contrário, levando a palavra para ser comungada a quem a achar, sem distinção de bairro, cor, periferia, cara, classe social !

E é essa a mensagem que o Sarau da Brasa quer deixar nesse um ano de existência: Nada se faz sozinho. O Sarau só é possível por conta de cada um de vocês que se fez presente nesse sonho que se tornou realidade.

1 ano de resistência, de luta, de felicidade, de dificuldades, de correrias, mas principalmente de alegrias, muitas alegrias, reveladas em cada rosto, cada sorriso, cada poesia, cada som, em cada um!

Axé!

Casa cheia para somar na nossa festaA felicidade no rosto de cada umAntologia

Biblioteca Carlos Assumpção

Velha Guarda da Rosas de Ouro

A galera no compasso dos pandeiros
Agito!
Quilombaque botando para quebrar
A galera não conseguiu ficar paradaO chão tremeu
Quilombaque
Os Irmãos do QuilombrasaSentimento que vem do gueto

Os irmãos do Radiographia
Radiographia
Batuques para chamar os poetas
Leitura do nosso manifestoLeitura do nosso manifesto
Retrospectiva do Sarau.Foi dificil segurar as lágrimas
Homenagem aos irmãos da Cooperifa

Homenagem Sarau Elo da Corrente e a princesinha Yakini
Homenagem Projeto Espremedor
Homenagem Carlita
Chellmi recitando
Raquel nossa Mãe Africa
Parabéns ao som dos tamboresO coração a mil
Bolo com a cara do Sarau
Compartilhando a alegriaChuva ao contrário levando a palavra a todos os cantos

8 comentários:

Bia Bernardi disse...

Parabéns mais uma vez a todos vocês! O trabalho tá crescendo e o reconhecimento também!
Força sempre! Não parem nunca!

Abraços

a Vanessa mesmo disse...

"Existia um tempo em que as palavras que conhecíamos serviam para descrever tudo que vivíamos. Nesse tempo não existiam ofensas, só o desconhecimento entre si. Inofensivos, éramos todos filhos, iríamos todos vencer. O que passávamos de mão em mão era também o que nos ligava no coração. O delírio era o pão da mente. E a morte? Ah! ela chegaria na velhice para que sempre nos lembrássemos um do outro com amizade." Adriana Riberiro

Isso resume o que eu sinto,em ver essa coisa toda acontecer...Sonhos se realizando!!!

mnocelli disse...

Parabéns BRASA. Festa linda! Certeza de que o movimento tem força e continuidade... Fico feliz ao ver as fotos, pois sei bem a emoção a paz e o prazer que emana dessa comunidade!

Sarau da Ademar disse...

Camila:
- Lid´s vamos no Sarau da Brasa?

Lid´s:
- Onde fica Camila?

C:- Brasilândia...

L:-Nossaaa no outro extremo. Mas Camila Sarau Poesia na Brasa...Será que esquenta? rs*

C:- Lid´s é 1 movimento muito bom você não vai se arrepender!

Eh não é que a Camila tinha razão. Sábdo dia 04/07 foi 1 daqueles dias em que voltei pra casa mais feliz, trouxe comigo a energia dos tambores, deixei a galera do Sarau da Ademar com (inveja) no bom sentido da palavra. É realmente UM BOM LUGAR!
Parabenizo a todos pelo MOVIMENTO, o mesmo me faz acreditar no próprio levante da periferia, a idéia é realmente somar, e foi o que eu vi na Brasa! Pessoas de todas as cores, de todos os lugares...
Pensa se todos esses movimentos que vem bombando por aih se juntassem? Já pensou?
Fariamos a (r) evolução!

Salve salve galera da Brasa!
Obrigada por isso.

No próximo Sarau faremos 1 bonde da Ademar p/ Brasilêndia, vale a pena atravessar a city.

Saúde guerreiros!
Muita luz.

Lidiane-Lids
Sarau da Ademar

Ps: Tomei a liberdade de linkar o blog de vcs no blog do Sarau da Ademar.

Hiago Rodrigues Reis de Queirós disse...

parabéns para vocês!!! rsrs não deu pra ir... mas vi que perdi uma festa linda! Cheguei na Brasilândia hoje de manhã, e já tô lançando um blog (http://blogs.abril.com.br/literaticando) para dar os parabéns ao Sarau da Brasa...

Um abraço em todos!!

No próximo eu apareço!

BêbÉT/Ocica's disse...

é muita vida!
uma contaminação que emana as odres menos impreviseivei e constantes de nossa realidade urbana.
essa ripa na muringa nÊgos é o que não mais será feito, é único, a exposição da arte versando a cultura.

Comunidade Cultural Quilombaque disse...

Sem dúvida alguma: o chão tremeu e todos os povos das periferias se fundiram num só, numa grande comunhão da palavra e da arte! Em nosso blog (Comunidade Quilombaque), postamos algumas fotos do nosso batuque no dia 04/07. Deem uma olhada:

http://comunidadequilombaque.blogspot.com/2009/07/apresentacoes-refugio.html

Abraços,
Silvio (Comunicação Quilombaque)

Ana Paula dos Santos Risos disse...

Gente do "céu" o que foi essa noite? Quantas emoções, e que trabalho lindo, o livro fico um arraso de forte. parabéns gente