sexta-feira, 25 de julho de 2008

Diego no Sarau da Brasa


Agora, esse momento

é motivo de orgulhar

Pois a nossa periferia

está a recitar

versos e poesias

como balas a perfurar

o corpo da mesmisse

e o extremo sussego do lar.

No lar está a minha gente

E unidos numa frágil corrente

assistem a novela que mente

o jornal que cala e consente

um humor demente

uma entrevista sem gente

outra novela que cala e consente

outro jornal que mente

outro humor sem gente

outra entrevista demente

num ciclo repetitivo e nada inocente.

Enquanto aqui vejo nossa gente

linda e inteligente

que na comunhão da palavra

fortalece o já forte elo da corrente

poe fogo na brasa

e numa noite fria nos tira de casa

com nossa coletiva solidão arrasa

afim de nos (re)envolver nesta grande casa.

Um comentário:

Rodrigo disse...

Muito bom mano...
a poesia é o tijolo que fará agente reconstruir nosso lar e nossa vida.