quinta-feira, 13 de maio de 2010

13 de maio "Libertação dos escravos": a história não contada

A mentira cívica, a história oficial romantizada, a estratégia para manutenção da economia e do poder. As verdades foram silenciadas por uma máscara de conto de fadas com princesa, pena de ouro e uma multidão pacífica e submissa à espera de um final feliz.

Os alicerces da instituição escravocrata minaram porque valores econômicos da Revolução Industrial ganharam maior importância e adeptos no mundo ocidental. O governo imperial brasileiro, ciente do fim da instituição, pretendia minimizar os danos econômicos dos fazendeiros adotando medidas para abolir a escravidão de forma gradual em respeito ao direito de propriedade dos senhores (Lei do Ventre Livre (1871), Lei do Sexagenário (1885) etc.).

Mas ações determinantes aceleraram o processo, ações propositalmente omitidas dos livros da historia oficial: o aumento no número de fugas, o crescimento e formação de novos quilombos, os atos de rebeldia, os assassinatos de senhores e feitores, a queima de engenhos, a destruição de fazendas inteiras, a compra de alforrias, a exploração das possibilidades abertas pela legislação imperial disputando na justiça o direito à liberdade, a influência da temida e bem sucedida revolta de escravos que trouxe a independência ao Haiti e por aí vai.

Evidências do auge de um movimento permanente e organizado de grandes proporções que desgastou significativamente o sistema escravocrata: a quilombagem. Neste quadro de tensões crescente formalizou-se o inevitável. A princesa regente promulga a lei 3353 de 13 de maio de 1888 que declara extinta a escravidão no Brasil revogando-se as disposições em contrário. O fato é que 90% de homens e mulheres já estavam libertos na data da lei através de meios próprios.

Alguma semelhança entre os fatos? A resistência organizada e permanente se mantém nos quilombos urbanos. E a omissão dos grandes meios de comunicação também. Reflita: quem quebrou e continua quebrando as correntes? A informação é uma arma que durante muito tempo foi usada para nos subjulgar, inferiorizar, dividir e alienar. SEJA CRÍTICO! QUESTIONE! APURE SEU OLHAR SOBRE OS FATOS!

Táta dos Santos

5 comentários:

Jessica Jin disse...

Indico o doc "Quanto vale ou é por quilo". faz um comparativo muito interessante da realidadea atual e da escravidão.

lunus41 disse...

Acredito que os último elos da corrente que ainda teimam em aprisionar nosso povo - hj não somente o negro, mas todo um povo trabalhador que vive e sofre as mais variadas formas de violência nas nossas periferias. é sua organização, cada vez mais forte, em torno de movimentos criativos e contestadores como os saraus, grupos de teatro, música, poesia, etc... que, felizmente começaram a nascer, crescer e florescer em todas as nossas periferias. Nossos quilombos contemporâneos. Saudo a todos e todas que estão lutando para manter esses movimentos vivos!!!!

Maria Eunice de disse...

Mandou bem lunus41...as periferias são a nova forma de escravidão...pouco dinheiro, 3 horas pra ir e 3 pra voltar do trabalho, transporte urbano que some nos fins de semana impedindo o trabalhador de ter um minimo de vida fora do julgo dos patrões...e por aí vai a coisa...e nisso estamos todos juntos: negros, brancos, indios. Vida longa aos mais novos quilombos...e não tenham ilusão...quando os "homi" perceberem a coisa, começa a perseguição...nos preparemos !

Jéssica Balbino disse...

O blog é muito bom. Assim como a proposta do sarau e mais ainda a virada poética !
Sou jornalista, escritora e amante desta linda cultura da periferia. Tem alguma forma de entrar em contato com vcs por e-mail, telefone, enfim, gostaria de trocar uma ideia para produzir uma matéria !
bjooo

Thiago Beleza disse...

Queridos... saudades imensas de vc's.. mas acho que o momento não é pra falar de sentimentos e sim de ações...

seginte, escrevi uma postagem sobre a merda que ta rolando desse lado da cidade, sobre a derubada do cicas e to correndo pra espalhar a notícia.

Se houver mais alguma coisa que eu, dentro das limitações de tempo e geográficas puder fazer, é so ligar....

Saudações.. e força ..

http://memoriaindividual.wordpress.com/2010/05/14/urgente-querem-acabar-com-o-cicas/