quarta-feira, 3 de junho de 2009

SARAU POESIA NA BRASA


O barato não é por grana.
O barato é por amor.

O barato não é técnica.
O barato é vontade.

O barato não é existência.
O barato é resistência.

O barato não é só palavra.
O barato é paulada.

O barato não é só ação.
O barato é reflexão.

O barato não é um bar.
O barato é um quilombo.

O barato não é ilusão.
O barato é (r)evolução.

O barato não é novo.
O barato é o povo.

Mas o barato é o seguinte:
O barato pra nóis, tem muito valor.


2 comentários:

Ana Paula Correia disse...

E o barato é loko!!! Não vejo a hora de colá por essas quebradas...
Forte abraço
Ana Coletivo Griots

Elson Ronis F de Almeida Ruach disse...

Barato é pertinho do ceú...
Barato na brasa é ceú na poesia é o ceú
do barato da alegria
e no calor da poesia, o povo da brasa, Parabéns, pelo o sarau, na brasa ávida do amor.

Elson Ronis