terça-feira, 31 de março de 2009

DIA DE FESTA (COMO SEMPRE)

Com novas instalações, novas caras, o Sarau Poesia na Brasa chega ao seu 19º encontro, como sempre noite de festa, mas nesse dia 28/03 havia uma alegria especial, pois como todos já sabem fomos aprovados pelo VAI, e conseguimos comemorar todos juntos mais aliviados. A surpresa que tínhamos preparado era essa, agora temos um espaço bem maior para recebermos os visitantes do sarau, algumas coisas nesse espaço ainda serão mudadas, mas será para melhor, por isso nessa noite ainda estávamos um pouco confusos quanto à organização do sarau, por essa razão pedimos um pouco de compreensão aos participantes para podermos nos organizar melhor. Nesse sábado a casa como sempre estava cheia, e dessa vez o número de poetas aumentou de forma ainda então não vista, o que resultou em um prolongamento do tempo de sarau, e alguns poetas já não agüentavam mais de ansiedade para serem chamados, mas isso faz parte do sarau e mais uma vez provamos que gostamos de ler, escrever e que os espaços para literatura na periferia estão ficando pequenos. Tirando esses imprevistos que eventualmente podem acontecer, a noite foi linda, as poesias mais ainda... cada palavra recitada eram como um disparo contra a mesmice. A noite já começou com a visita do escritor Marcelino Freire, que chegou bem antes do sarau começar, onde pudemos bater um papo e, diga-se de passagem, ficamos bastante felizes, pois gostamos muito dos livros desse cabra, ele pôde conhecer a nossa biblioteca, e de quebra no sarau nos saudou com um conto inédito, “Mano Doido”, o cara foi fantástico, durante alguns minutos as pessoas no bar mal respiravam para não perderem nenhum pedaço do conto. Recebemos também a visita da galera do “Treze Visões” que vieram de uma caminhada lá de Itu para apresentarem o livro acerca das várias visões sobre o largo treze e daqui eles ainda iriam para Pinheiros para participarem do “Sopa de Letrinhas”, eita fôlego! Como sarau não é somente poesia, nessa noite tivemos o prazer de prestigiar as telas da Carolzinha, puta trampo louco, foi louco ver que algumas crianças ficaram encantadas com o trabalho da mina, e esperamos que mais artistas, que não só da poesia, se sintam à vontade para apresentarem seus trabalhos. E a periferia esta cada vez mais forte e unida, Literatura Suburbana, Elo da Corrente, Sarau Poesia na Brasa etc... todos unidos pela literatura transformadora nas quebradas. Axé para todos e até dia 11/04 no nosso próximo sarau.




NOVAS INSTALAÇÕES


RUI MASCARENHAS


ROLOU ATÉ CAPOEIRA


MARCELINO FREIRE



DIMAS E EDER


AMAURI - MIUDINHO


HELDER - ELO DA CORRENTE


DOUGLAS - ELO DA CORRENTE


SONIA


BARBARA


JOÃO DO NASCIMENTO - ELO DA CORRENTE


TRAMPO DA CAROLZINHA


NOSSA BIBLIOTECA



2 comentários:

Ivan Antunes disse...

valeu moçada, parabénes pelo VAI belíssima festa,muito belo e democrático o espaço, parabéns.

ivan antunes - santo largo 13
www.otatubola.blogspot.com

" ? O Grito" disse...

Eae pessoal da Brasa!! Saudades imensas dos saraus... em breve estaremos por aí novamente pra fortalecer...
Abrazozzz!!